Janta de Fim de Ano – Golden Gobi

2 comentarios

Entre meu ultimo post e agora, fomos convidados pela familia do Hostel a uma janta preparada por eles mesmos para comemorar o fim do ano, ja que amanha todos nós vamos estar espalhados pelo deserto do Gobi. Realmente foi uma ótima e divertida integraçao, onde realmente participamos de algo completamente atipico em um Hostel, pois aqui pagamos apenas 6 dolares o dia para dormir, e de quebra ainda ganhamos um apetitoso jantar oferecido com muito carinho.

Nesta janta encontrei Alex e sua namorada, e sao eles que chegaram hoje para amanha estarmos indo para o Tour ao parque nacional.  Abaixo algumas fotos do agradavel ambiente que foi criado hoje no Hostel.

El pase de diapositivas requiere JavaScript.

Waiting Time – Ulan Bator

1 comentario

Hoje saí pelas frias ruas de Ulan Bator para poder ver alguns monumentos e acompanhar um pouco o cotidiano desta louca cidade. Na verdade estava ja um pouco preocupado, pois tenho que ficar aqui até domingo quando passa o trem com destino a Pequim, e esta cidade nao merece tanto tempo da viagem, a parte, de que eu faça o tour ao Parque Nacional e passe a noite em uma casa nomade e depois disfrute de um passeio a cavalo pela reserva. Mas como estou sozinho, isto pode ser uma atividade que nao corresponde ao meu orçamento para esta viagem. Mas ficarei na espera……

Saí em direçao ao monasterio Gandantegchenling que se salvou da destruiçao massiva dos 900 templos em 1938. Pensei que entrando lá iria poder sentir o encanto e o silencio de um lugar “divino”, mas na verdade encontrei muita sujeira e vendedores ambulantes, gente pedindo esmola, e varios avisos de “cuidado com os batedores de carteira”,,, isto tudo em um monasterio, Ok!! Vou apreciar-lo como se estivesse em um Museu, onde suas estruturas certamente merecem uma limpeza e também uma reforma. Em uma das construçoes, vi uma grande obra de arte, uma estatua gigante de Buda com aproximadamente 20 metros de altura toda dourada, a unica obra que me chamou a atençao e que realmente é digna de uma visita. Dentro do templo onde ela se encontrava, as pessoas faziam suas preces e praticavam todo um ritual em volta desta estatua onde haviam prateleiras com milhares de pequenas estatuetas de Buda desta vez sentado, e nao em pé como a grande estatua. Para tirar foto tinha que pagar 5 dolares, e como eu ja estava cansado de gente tentando se aproveitar de turistas a todos os lados, apenas registrei a imagem em minha mente…. Mais umas tres voltas pela cidade e impressionado com o transito mais louco que ja vi, onde para atravessar a rua é cada vez um novo desafio, que esta ficando cada vez mais divertido, visitei alguns centros comerciais, mas na verdade ja estava um pouco incomodado com a possibilidade de ter que ficar aqui mais tres dias se ja no primeiro havia feito tudo.

De volta ao Hostel, enquanto o casal de Holandeses e um novo casal da Suissa planejavam seu tour de 8 dias pelo deserto do Gobi, recebi a noticia que amanha dia 31, chegam ao Hostel dois turistas britanicos que estao dispostos a fazer o Tour pelo parque, e conhecer um pouco da cultura nomade da Mongolia, esta noticia me deu um novo animo, ja que amanha a programaçao é das melhores: Acordar as 8:00, 1 hora de carro até o parque nacional com guia que também se encarregara de fazer nossas refeiçoes, conhecer os “Ger” mongois, dormir em uma casa de familia nomade e no dia seguinte andar a cavalo pela zona deserta antes de regressar ao Hostel…. Por fim, estes próximos dois dias antes de entrar no trem com direçao a Pequim, vao ser bem ricos em cultura e “aventura”. Acabo de receber um companheiro de quarto, um senhor de aproximadamente 50 anos do Japao, que esta fazendo uma mini viagem entre Mongolia a Pequim, comentei a ele sobre o tour de amanha e ele agora esta lá fazendo a reserva……..

Na verdade, neste ponto, a viagem é completamente diferente dos 4 dias que estive no trem, e as vezes a impaciencia de estar “parado” em uma cidade advém dos bons momentos pessoais vividos naquele trem numero 44.  

PS: Hoje tive tempo de ler todos os relatos do Blog, madre mia, se minha professora de Portugues ler isto me enviará de volta a sexta série…..rs…..rs Mas faz parte do momento, escrever no trem e com pressa nao é muito facil..!!!!!!!

Ulan Bator – Tô na Asia…!!!!

1 comentario

INACREDITAVEL, SOMENTE ME DEI CONTA NA HORA QUE ACORDEI…….. ESTOU NA ASIA!!!!!!!!!!!!!!!!  Que impacto este de estar aqui!!! Esta certo que hoje minha sessao chil out é das mais tranquilas, pois necessito organizar o fuso horario e claro, relaxar um pouco depois dos 11 dias sem parar. Realmente o clima familiar da residencia Golden Gobi é dos melhores, pessoal animado, cozinha livre para poder cozinhar a hora que quiser, mas claro, estava esperando para o primeiro contato real com as ruas de Ulan Bator…..e claro, nada melhor que um Supermercado para começar a imersao!!!! Ual, supermercado na Mongolia, nem minha experiencia de longos 6 anos morando sozinho serviram de muito na hora de encher a cesta, foi muito comico e divertido. A falta de noçao do quanto vale cada coisa, os numeros hiperinflacionarios, e claro, as escritas nas embalagens… lol… pagar a conta, uma simples sacola com algumas frutas, queijo..etc… 33.000… um bolo de dinheiro, retrato de uma economia desestabilizada e em constante crescimento. O engraçado é que pelas ruas, as pessoas te olham encarando fixamente e as vezes até te faz sentir um ET no meio do centro da maior cidade da Mongolia. Uma cidade subdesenvolvida que leva como significado “Heroi Vermelho”, e que nos ultimos anos esta experimentando uma rapida abertura de capitais e edificios modernos ja começam a emerger na tipica paisagem da cidade. O engraçado desta minha curta experiencia pelas ruas, é que o transito é muito loco, o farol de pedestres esta fechado a todo momento e as pessoas passam mesmo assim, quase sendo atropelados pelos carros, e quando o farol de pedestres esta aberto, os carros passam mesmo assim quase sendo atropelados pelos pedestres..rs.. Outro fato engraçado é que voce tem que desviar dos cuspes emitidos naturalmente por homens e mulheres bem proximo aos seus pés durante sua agradavel caminhada… cool..!!!

Hoje nao vou escrever nada sobre Ulan Bator, pois amanha realmente vou fazer uma imersao nesta cidade conhecer alguns templos e estatuas em homenagem a Gengis Kahn, e estou torcendo para que chegue novos turistas ao Hostel que estejam dispostos a conhecer os acampamentos nomades que rodeiam o Parque Nacional do Terej, e assim baixar o custo de ir sozinho, para que eu possa preencher meus quatro dias que terei por aqui enquanto espero o próximo trem que passa por com destino a Pequim.

Sempre com a agradavel compania de Eduardo e Lina, que me convidaram para jantar com eles, disfrutamos um pouco da gastronomia de Ulan Bator, que possui preços muito baratos e uma qualidade excelente…..! Durante a conversa Eduardo abriu seu oficio, que ja era previsivel: Ator de TV na televisao Holandesa – especialidade: Comédia….., tamanha simplicidade que carregam…..!!!

Abaixo deixo uma foto da bela praça de Suhbaatariin Talbai (Sukhe Bator Square) construida em 1990 em homenagem ao revolucionario lider Damdinii Suhbaatar, e também comento que adicionei alguns videos nos dois ultimos posts….!!!!!

See you soon…!!! 🙂

Lago Baikal – A Pérola da Sibéria

1 comentario

El pase de diapositivas requiere JavaScript.

No dia 27/12, apesar das poucas horas de sono, e os problemas com a diferença horaria acabei dormindo apenas 3 horas. Levantei peguei as informaçoes necessarias para chegar ao Lago e fui a caminho da estaçao para pegar mais uma Marshurutka, desta vez de longa distancia. Cheguei na estaçao e esta tarefa era realmente mais dificil do que eu imaginava, pois eram muitas vans e para ir em onibus nao havia nenhuma informaçao em Ingles. Sentei, esperei um pouco e como tinha somente 10 horas para ir voltar, fazer compras, arrumar as malas e ir para a estaçao, resolvi nao perder tempo e sai perguntando a todos das vans…..Listvyanka? Listvyanka? (este era o nome da regiao que eu tinha que ir), e de pouco a pouco foram indicando qual van fazia este trajeto. Entrei em uma van, um pouco sem saber se era a certa, e fiquei esperando. Como sentei de costas para o motorista, estava de frente a todos os outros passageiros, e notei que um garoto ficava me olhando fixamente. Sabe aquele tipo de situaçao que incomoda? Mas OK, deve estar curioso por ter um turista  indo para o Lago Baikal em pleno inverno. Bola para frente motor ligado, e eu distraido com o transito louco de Irkutsk, escuto uma voz advinda de um dos passageiros: “Are you traveling?”, um pouco assustado, além de estar olhando o garoto fala ingles..!!!! Menos mal, respondi que sim, que estava vindo de Moscou, e logo tudo ficou mais claro. Tratase de Olivier, um jovem frances de 20 anos que esta estudando Business na Korea e decidiu empreender esta viagem de Vladvostok a Moscou, que originalmente diria que é a Transiberiana de cabo a rabo. Com a cabeça muito aberta, apesar de sua pouca idade carrega uma incrivel experiencia de vida adquirida em suas viagens e me deu bons conselhos, como por exemplo comer carne de cachorro na China…rs..rs., mas de verdade que ele demonstra ter objetivos muito concretos. Esta identificaçao entre os viajeiros é incrivel, conversamos um pouco durante o trajeto e decidimos explorar a bela e pequena vila de Listvyanka juntos. O primeiro impacto com o Lago é inesquecivel, a vista se perde no horizonte, as geleiras querem medir susas forças com a do lago e nisto a natureza se compoe com a ajuda do Sol que faz seu trajeto no horizonte parecendo a todo momento que estamos prestes a hora do por do sol. Coincidentemente Olivier esteve em uma ilha do lago dois dias antes, onde passou o dia de natal com Tim e o casal de Holandeses…. (MUNDO PEQUENO ESTE) estamos falando da gigante Russia e de uma meia duzia de viajeiros que se encontram a cada momento e um conhece a outro. Olivier teve que partir a Irkutsk antes, e entrou na van que o levaria de volta, uma boa oportunidade para eu poder ficar sozinho com o lago e realizar um dos grandes objetivos desta viagem.

Estava praticamente namorando o lago, seu tamanho, suas historias, sua lenda e sua beleza é tamanha dimensao que faz qualquer um render homenagem a sua frente. Ficava paralisado, e meus olhos tentavam ao maximo explicar ao meu cerebro o que ele estava vendo. Fiquei admirando o lago e em minha cabeça passava todos os meus objetivos, nao os de ordem efemera, mas os maiores e ali naquele momento compartilhei com o lago todos eles, lavei minhas maos em sua agua mais que gelada e selamos este compromisso. “Enquanto existir a ultima gota deste lago, para mim ele ainda será o grande Baikal……………….” o resto da prosa ficou entre eu e ele 😉 .

De caminho ao Hostel, 1 hora de van, cheguei em Irkutsk, pit stop no super mercado, banho no hostel, jantinha expressa, mala pronta e fui aos holandeses para combinar o horario de saida, e por que nao, aproveitar e ver em qual vagao eles estariam pois o trem em media tem de 15 a 20 vagoes, 9 compartimento cada e 4 cama em cada compartimento, e voces ja sabem qual foi a surpresa né, fato este que os outros companheiros do Hostel nao podiam acreditar. Bola para frente, com a tranquilidade de saber que iria estar bem acompanhado. Sem duvida estas 26 horas foram muito bem aproveitadas, desde minha chegada em Irkutsk

28/12 – 00:55

Estamos no trem que liga Irkutsk a Ulan Bator, Eduardo e Lina um casal muito extrovertido que estao fazendo uma viagem de dois meses pela Asia, hoje comemoram 3 anos de namoro, fato este que mereceu uma comemoraçao, e para mim foi uma honra presenciar este momento, claro, regado com alguns shot de vodka. Apesar de meu Ingles que esta em rapido progresso, foi possível encaixar uma longa e amistosa conversa durante a noite.

Este trem é muito mais moderno que o primeiro, uma luxuosa cabine com TV, carpetes azuis e um banheiro constantemente limpo. No corredor circulam uma grande quantidade de jovens da Mongolia que estudam em Irkutsk e estao de volta para comemorar o ano novo em seu país. Estamos a quase 5.900 Km de Moscou, quase na fronteira, a paisagem ao lado de fora é desta vez mais deserta, poucas arvores, e nao pudemos apreciar a volta ao Baikal pois a escuridao nao permitia.

As 14:00 chegamos na fronteira onde primeiro passamos pela inspeçao das autoridades Russas. Banheiros trancados, passaporte apresentados 1, 2, 3 e até 4 vezes. Neste tempo, apesar de estarmos todos um pouco impaciente com a larga demora, foi interessante pois fizemos nosso primeiro contato com as pessoas da Mongolia que estavam no trem. Durante todo o tempo eles passavam olhando curiosamente dentro da cabine, até que me aproximei deles para nos comunicarmos de alguma forma, a partir daí foi muito mais divertido, pois eles eram muito curiosos e tinham um espirito muito amigavel. Todos em media com 18 /19 anos que estudam Engenharia na Russia, na verdade é uma saída para familias de uma moderada e excassa classe da Mongolia que pode dar-se o luxo de enviar seus filhos a estudar no “exterior”. Depois de 4 horas parados, com a impaciencia da falta de um banheiro, com cachorro farejador (cocker..rs.rs.) revista de compartimento…ESTAMOS LIVRE!!!………………… na verdade nao, porque 20Km adiante, é o controle Mongol…….. ja sabem esta historia, banheiros trancados, passaporte 1, 2 , 3 ,4…….. e pediram para eu abrir minha maleta…… a dos holandeses nao……..rs..rs. preconceito..!!!..rs..rs.mas ok, o unico que tinha eram algumas bonecas russas e uma bela garrafa de Vodka que provocou risos das autoridades…!!! agora sim estamos livre, depois de 8 horas parado em controles, o trem ia muito devagar e de verdade que foram32 horas para apenas 1200Km……. e durante todo o tempo ou estavamos lendo, ou conversando, mas o ponto chave desta parte da viagem, que nao possui o mesmo encanto da primeira parte, foi a gostosa interaçao que tivemos na cabine, e o momento que o gelo foi quebrado junto aos jovens mongois.

Depois de mais uma noite no trem, desta vez mal dormida, chegamos em Ulan Bator as 6:30 da manha, onde o cansaço tomava conta do corpo. Na baixada do trem, uma multidao de taxistas “nao oficiais” lutam entre si, para poder levar os viajantes do trem. Esperamos um tempo, mas a cada 5 segundos aproximava uma pessoa oferecendo o serviço, e resolvemos sair da estaçao e claro, com tanta oferta podemos negociar, vamos nos divertir um pouco, pensamos..!!..rs De 3.000 por pessoa, conseguimos uma corrida ao Hostal por 4.000 para os tres…rs. NICE, mas na verdade deu muito medo, pois ainda estava muito escuro e o motorista começou a entrar em uns becos que nos olhavamos sem entender e rezavamos para nao passar nada de errado…….. mas enfim, aqui estamos no Golden Gobi Guest House, onde coincidentemente, esteve na semana passada, Tim da Australia, e nós tres somos os primeiros hóspedes da nova era deste Hostel que ja foi muito frequentado por viajeiros do mundo inteiro, mas esteve fechado durante 4 dias (em 15 anos) para pintura geral e novo lay-out, um lugar bacana, o dono Bob muito gente fina e simpatico com um bom Ingles, e nao temos duvida que aqui sera um ótimo lugar para estar durante estes dias, onde vou ter mais tempo para atualizar o blog, e talvez, detalhar um pouco mais a viagem…..!!!!!!!

Conclusao: Estou morto de sono e agora aqui sao as 9:12 da manha e no Brasil 00:12

Irkutsk – Baikaler Hostel

5 comentarios

Cheguei do trem um pouco cansado, pois realmente a diferença horaria ja se notava, tambem pudera, o trem percorreu 5 zonas horarias, e meu relogio que apontava a hora de Moscou como 14:52 tive que atualizarlo para 19:52. Sai diretamente para a parte exterior da estaçao e entre mapas e anotaçoes, segui as orientaçoes do Hostel e entrei no Tram Via numero 1 (na verdade qualquer um serviria), e quando ali estava me sentei ao lado de um jovem casal que de longe observava minha mochila, os papéis e como uma reprise do que passou em Moscou, ali estavam outros dois anjos me ajudando com a localizaçao. Na verdade fiquei impressionado, outra vez, pois eles desceram comigo conforme as indicaçoes das anotaçoes do Hostel e chegando no lugar indicado, como nao havia nenhuma placa ou algo, ligaram para o manager do Hostel e esperaram até que veio Jack a encontrarme justo na esquina do Hostel. Durante estes cinco minutos a unica pergunta que a jovem me fez era se eu acreditava em Jesus, a pergunta me surpreendeu e claro, que imediatamente respondi positivamente, e eles abriram um largo sorriso dizendo que estavam indo para a Igreja mas os 10 minutos nao foram em vao, mais uma vez surpreendido os agradeci imensamente e segui com Jack rumo ao hostel.

Chegando la, neste que esta nos guias da Transiberiana, ja estava com expectativa de encontrar com outros viajeiros que estavam na mesma trip que eu, e foi dito e feito, chegando la um clima maravilhoso, e descontraído, este promovido pelo dono da guest house, que por apenas 500rublos a noite acomoda os viajantes em seu apartamento que tem uma ótima impressao, organizaçao e limpeza. No quarto estam Tim Candler, um jovem Australiano que trabalhou durante 1 ano, ao termino de sua universidade, para empreender uma viagem de 4 meses planejando cada dia de acordo com o vento. Saiu da Korea, pegou o trem em Pequim e ao contrario de mim, esta fazendo esta viagem com destino final Moscou. Também haviam uma mulher e um homem da Holanda que estao empreendendo o caminho na mesma direçao que eu, e é com eles que dentro de 30 minutos vou a estaçao de trem. Além de um Londrense, outro Australiano que tambem esta fazendo a mesma rota. Realmente este clima é muito contagiante, pois todos tem o mesmo objetivo, cabeça aberta e sao curiosos pela experiencia alheia. Cada um pode escrever um livro com sua própria história, e além de diversos pontos, o mais em comum é que ainda estamos no meio desta empreitada.

O fuso horario me destruiu, pois tinha que acordar cedo para conhecer o Lago Baikal, a pérola da Sibéria, mas sobre este dia, vou subir ao blog no dia 29, quando chegar em Ulan Bator. Agora estou em cima da hora para novamente pegar minha mochila, suprimentos e pé na estrada…..

O que posso adiantar é que este lago, foi o lugar mais maravilhoso que ja estive e que dificilmente sera superado…………

Agora…. go ahead…!!! pé na estrada e em 30 horas tenho como destino a capital da Mongolia, onde seus -35 graus ja me esperam para congelar meu nariz…..

Ah uma coisinha que aconteceu enquanto subia a foto..!! perguntei para os Holandeses o numero do vagao e cama deles e a resposta foi: Vagao 10, Cama 33 e 34……. querem saber qual é o meu…… ..???  vagao 10, cama 35……. coincidencia????

……

Trem 44: Moscou – Irkutsk

2 comentarios

TREM 44 – Moscow – Irkutsk Chegando na estação, a neve brindando mais uma noite de inverno e a atenciosa comissária de bordo já esperava na plataforma para conferir bilhetes. Na verdade este trem é usado pelos Russos, Chineses e Mogois, para fazer sua rota habitual, na verdade o povo nativo jamais entraria nele para fazer o tipo de turismo que estou fazendo por exemplo. Entramos no compartimento, Aliona e KAtia me acompanharam para me ajudar com a localização, e pelo estreito corredor que passa somente eu e minha mochila, já pude sentir o ar do trem que percorre esta mítica rota. O trem 44 não e dos mais modernos, mas seus compartimentos de 2 classe Kupe, as camas até que são confortáveis. Na cabine já haviam outras três pessoas: Uma senhora de um povoado siberiano perto da china, um grande e tipo mal encarado Sergey e um terceiro que com seus quase 45 anos, possue ar de tranqüilidade e arrisca umas palavras em Ingles. Na verdade Sergey quer puxar papo a toda hora, e fala comigo como se eu fosse um Russo nativo, na esperança de eu compreender algo. Fato curioso, é que pelos gestos e expressões, no começo ele discutia com os outros dois da cabine insinuando que eu entendia seu idioma. Na verdade você pode as vezes, saber do que falam, pelas expressões corporais e gestos. E esta será nossa linguagem de aqui para frente! O compartimento Kupe possui 4 camas de aproximados 1,89 X 0,55, no qual se ajusta perfeitamente a minha estatura, tornando assim um pouco incomoda a viagem, mas os compartimentos de bagagem são mais espaçosos do que eu imaginava. Dentro do trem sempre tem que ter atenção sobre as coisas, incluso as de valores como dinheiro, passaporte, passagem. Não se pode descuidar mas dentro da cabine existe um elo de cumplicidade e isto da mais segurança e me deixa mais livre para apreciar a viagem. A temperatura interna é de 22 graus ou mais, e pela noite se passa muito calor, apesar dos -30 que pode fazer no exterior. Ainda estou na tentativa de identificar onde estou, mas com a ajuda de meu Transiberian Handbook, estou me localizando de pouco e as vezes pergunto a meus companheiros de cabine! Na verdade parece que nas ultimas dez horas este trem não saiu do lugar…rs..

SAINDO DO CASULO

Não foi difícil pegar no sono e em apenas duas horas de movimento e estando bem instalado, dormi tranquilamente e de forma cômoda (entre aspas). O trem veio suave, mas muitas vezes dava fortes trancos que chegava a acordar e quando eram as 10:00 da manaha estávamos todos despertos e se notava o movimento no vagão, o movimento de sempre, gente passando ao banheiro, outros caminhando sem rumo. A pequena mesa entre as camas, fica grande para poder abrigar dois de cada vez. Na verdade aí esta uma certa vantagem em dormir no compartimento superior pois você nunca é incomodado, mas em compensação precisa estar bom de ginástica para subir na cama. Pude notar que o tipo careca mal encarado, Sergey era na verdade muito simpático e sempre prestativo tentando em vão encaixar uma conversa. No trem a monotonia das pessoas que o utilizam para chegar as suas casas toma conta dos corredores, as pessoas não fazem mais que dormir, levantar para olhar a janela, ir ao banheiro e voltar para a cama. Notei também que haviam muitos jovens com cara mal encarada e que levavam uniformes militares que passsam rapidamente pelos corredores trombando a tudo e a todos. Pela manha na tentativa de comprar açúcar, percebi os dois comissários bem embriagados, eu me partia de rir por dentro, pois a comunicação era péssima e com a ajuda do álcool não entendia nada, mas ai final consegui meus 5 cubos de açúcar por 10Rublos. Durante minhas vislumbradas a janela lateral que da para o lado direito do vagão, e praticamente a todo momento apresentava a mesma imagem praticamente, se aproximou de mim Alberto, um jovem da cidade siberiana de Omsk que esta de caminho de volta a casa depois de uma viagem ao Egito acompanhado de sua namorada. Na verdade ele que me ajudou a comprar o açúcar do comissário e também comentou sobre os trens que percorrem esta linha e me mostrou um quadro no corredor que era o melhor meio de localização, que tinha as horas da estações e a distancia de Moscou. Por fim alguém que fala Ingles para poder se comunicar e conhecer um pouco mais de detalhes deste trem. Conversamos alguns minutos a mais e ele se pôs a disposição para me ajudar no que fosse necessário. Alberto também me comentou, que Sergey o brutamonte, era oficial do exercito e isto me deu mais tranqüilidade, pois Sergey e os demais irão até Chiita que esta depois de Irkutsk que é minha parada.

17:24 do dia 23/12 e resolvi sair um pouco do meu casulo e chegar ao deserto vagão restaurante que esta justo ao lado do meu. Na verdade achava que o restaurante ia ser mais agitado, mas pelo visto o pessoal passa somente pela noite para jantar e voltam logo aos seus compartimentos. O bom que ali tem uma boa cerveja Dinamarquesa por 100Rublos, que ultimamente é meu único gasto dentro do trem. O estado neste momento é de introspecção total, até mais do que imaginava ser. A todo tempo me flagro pensando no que estou conseguindo realizar e o quão longe algo como esta viagem estava de minha imaginação há algum tempo atrás. Também não canso de ser agradecido por tamanha amabilidade de Aliona que fez gestos com tanto carinho que jamais irei esquecer. Em pensar que a conheci muito pouco em Leon, e há dois dias atrás estávamos em Moscou como grandes amigos, me faz imaginar do que esta grande engrenagem universal é capaz, colocando de forma tão discreta pessoas em nosso caminho, que a final fazem parte de grandes realizações…… Spaseeba Aliona.

KM 1777 ESTOU NA ASIA 11:41 23/12 Me desperto as 6:15 e diretamente olho para a janela que esta atrás de minha cabeça, e me deparo com uma paisagem não muito diferente dos bosques branco de neve que havia visto durante todo o dia anterior. Mas estes bosques tinham algo de especial, pois estas arvores que estava observando banhada de neve faziam parte dos Montes Urais, que dividem a Europa da Asia, ponto marco para históricas conquistas de povos que lutaram por estas terras do qual nomes como o de Gengis Kan um dia reinou por aqui com seu impetuoso exercito. A falta de banho, o incomodo da cama foram abstraídos imediatamente por um turbilhão de emoções, por estar aonde estava naquele momento. Voltei a cochilar já planejando acordar as 7:45, uma hora antes de Ekaterimburg, pois nesta grande cidade o trem faz uma pausa de 45 minutos. Acordei desta vez para valer, tomei um delicioso banho de lenços umedecidos, a parte de mãos e rosto que receberam a honra de ser tocado por água e sabão…rs. Era 8:10 e estávamos no Km 1770 e sabia que no KM 1777 tem um obelisco branco que simboliza a divisão continental, a duvida era se ele estava do lado esquerdo ou direito do trem mas por lógica me mantive na janela do corredor, preparei minha câmera e no Km 1776 comecei a gravar o que para mim era um dos pontos marcos desta viagem: passar pelo monumento da transiberiana que divide estes dois continentes que dividem espaço e se diferenciam em seus contrastes, historia e costumes, e assim foi feito, registrei não mais que 5 segundos da passagem pelo obelisco mas para toda minha vida, ele ficou registrado em minha mente. O trem chega a Ekaterimburg com -26 graus no esterior, depois de 34 horas de viagem e desci para que meu corpo pudesse carregar energias e hidratar minha pele com os belos raios solares que fazia naquela manha e que eu visualizava pela primeira vez desde o inicio de minha viagem. E aí que me dou conta que hoje é dia 24/12 natal para alguns de nós, mas não para os Russos que devido a sua religião comemoram no dia 06/01 com uma grande festa e entrega de presentes. Neste momento agradeci ao universo por me estar proporcionando esta fabulosa viagem, ao alcance de mais um ponto de plenitude e ao lindo dia de sol que fazia com que os grandes pinos do Monte Ural se parecessem mais a uma imensa floresta de algodão. A felicidade é muito grande, sei que a viagem é solitária e isto para muitos é sinal de tristeza, mas par mim esta experiência é única e a solidão me faz crescer e com isso ser feliz por cada dia poder desenvolver a capacidade de SENTIR o mundo que nos rodeia e que esta ao nosso alcance. Procurei na estação um presente para poder dar aos meus companheiros de Kupe, mas não encontrei nada além de comida instantânea, cerveja e vodka, mas apesar de não poder conversar nada com eles, estamos nos dando muito bem entre sinais e olhadas….. E aqui de longe, hoje me vem a mente um Desejo de Feliz Natal a todos, que minha família esteja junta e unida, e sempre me vem a cabeça também a família Chuckla da Polonia, onde estive nos dias de Natal de 2006 e 2010 em sentindo integrante daquela bela familia……

24/12 KM 2712 OMSK 23:52 MT Dia de natal e os gelos são quebrados de pouco a pouco. Hoje conheci diversas pessoas no trem, das quais nenhuma falavam Ingles, somente o puro Russo. Começou quando fui ao vagão restaurante e um tipo grande cheio de cicatrizes no rosto e com cara nada simpática se aproximou de mim falando uma mistura de Frances básico com Russo fluente querendo puxar uma conversa. Ficamos tentando nos comunicar e ele tira varias moedas, que percebi ser uma edição comemorativa da Russia, cada uma valorada em 10Rublos, ele me deu duas e neste momento fiquei ultra surpreso e ao mesmo tempo desconfiado, nos dias de hoje alguém com aquela pinta sair dando dinheiro a um extrangeiro….hummm!!!! Mas poucos minutos depois entendi o que ele queria, e era fazer uma troca de moedas brasileiras pelas edições comemorativas de Rublos. Eu como não tinha nenhuma de Real, pedi muitas desculpas devolvendo suas moedas, e neste momento aquele brutamonte digno de uma serie de suspense me estendeu a Mao e sorriu, me dando de presente as moedas. Voltei para meu vagão com mil coisas na cabeça, do segundo julgamento precipitado em um dia, imaginando que estas pessoas que por mais aparentam ter má fisionomia, estão curiosos por ter uma pessoa de tão longe, fazendo uma viagem em suas terras por mero prazer. Voltei a minha cabina e não havia outra moeda de cambio a não ser o Euro, e por sorte tinha uma de 2, que são as grandes com figuras comemorativas no verso, cheguei no restaurante de volta e entreguei a ele a moeda, ele me estendeu a Mao com cara de convencido pela troca (sem considerar que dois euros valem muitos rublos, mas não era esta a intenção inicial dele). Durante todo o dia fiquei introspectivo no trem, fiz um pequeno tour e tambem aproveitei para carregar meus eletrônicos. Isso sim é complicado, pois se deve pedir ao comissário para acionar a tomada do corredor e ficar vigiando o tempo todo. Pela tarde conheci outro tipo que trabalha no restaurante, com um Ingles colegial mas cheio de boa vontade puxou uma conversa e me indicou para jantar no restaurante pela noite, coisa que eu já havia planejado por ser noite de natal. Me sentei, e com a fome que tava somente pedia a ele Beef, pois não havia cardápio de Ingles, e meu medo era pedir uma torta de amora para janta, foi bem confuso tentar fazer o pedido pois ele não sabia a diferença entre frango, carne e peixe, e eu quase mugindo tentava me expressar a ele, e 15 minutos depois eis que vem meu delicioso prato de SOPA..!!!!!rs..rs. mas na verdade estava muito boa, e parecia ser algo típico da Russia….!! Voltei a cabina e Sergey me diz em gestos que Igor, o outro companheiro de cabine, se vai na próxima estação, a cidade de Omsk. Neste momento começamos todos no vagão a se comunicar através de papel, caneta, desenhos, mímicas..etc. Foi um momento muito especial para todos, pois por fim encontramos uma forma de nos comunicar, onde pude explicar para eles o que eu fazia, o que havia estudado, e coisas da minha família. Notei que eles tinham muito interesse em saber tudo isso, e o ar que tinha a cabine era de admiração um pelo outro, pois depois de 46 horas o gelo definitivamente havia sido rompido. Tiramos diversas fotos, e eles sem timidez alguma pediam para ver como ficou, e Igor incluso me passou seu email para enviar posteriormente (Igor te enviarei sem falta). Na conversa descobri que não somente Sergey era  do exercito, mas Igor também, e agora relaciono sua postura e disciplina com o seu oficio… A senhora de Chita, no qual pedi para tirarmos uma foto juntos me disse carinhosamente que era minha mãe na cabine. Gesto este que jamais esquecerei, pois durante a viagem havia notado nela gestos e aspectos que lembrava muito a minha mãe.

Igor se prepara para baixar na próxima estação, e na cabine 6 Alberto e sua namorada também já estão no corredor esperando ansiosamente para chegar em casa, mas antes claro, me aproximei deles para tirarmos uma foto no corredor do trem numero 44, que para mim a partir de hoje será um numero especial e mágico e estas pessoas de povos tão distantes do meu, que vivem em temperaturas que durante 5 meses do ano rondam os -10 a -40, a partir de hoje fazem parte de minha historia,e por isso vou compartir nossas fotos neste blog. Baixei na estação de Omsk onde faziam -23 graus e na porta do trem estava a família de Alberto esperando por ele, me despedi dele e recebi seus votos de feliz natal e ele com o endereço do meu blog disse que iria ver (Alberto, I hope that you are understanding this text)… Me despedi de Igor que arriscava algumas palavras em Ingles, e voltei para o trem. E claro, o lugar nunca esta vago, e aqui esta a tímida Maria.

Agora é natal, acabo de abrir meu presente e imaginando a alegria e paz que ronda as famílias que com desejos, atitudes e pensamentos positivos, infestam o mundo com boas energias e fazem deste, um mundo bem melhor.

25/12 21:30 – 3000Km

Aqui estava eu na noite de natal, recordando este agradavel dia que tive. Na verdade a nossa nova comapanheira se adaptou muito bem e rapido ao grupo, e apesar de seus 29 anos, passa facil por uma universitaria recem ingressada, e de longe que eu chutaria que ela tinha um filho de 10 anos.. Rimos bastante durante a noite, com nossa avózinha que justo hoje resolveu engatar uma segunda reduzida e parecia subir uma ladeira interminavel tamanha a constancia de seu ronco que alcançavam faceis 120 decibeis. E assim foi por toda a noite, que acabei nao dormindo direito e resolvi descer em Novosibirsk por alguns minutos. A estaçao em comparaçao a outras era muito imponente, digna da capital siberiana. O frio de -21 desencorajava a quem queria descer esticar as pernas, mas nao a mim, que morria de saudades de um banheiro espaçoso, tentativa esta fracassada mais uma vez, bora para o trem para a sessao recarregar baterias, e quando estava pelo corredor escutei um modesto “Where you from?” advindo de um casal descolado, que mais tinha pinta de agentes secretos e uma simpatia que me surpreendeu. Alex um tipo de cabelo comprido, lucindo um belo relogio que chamava a atençao de longe e uma roupa toda preta, acompanhado de sua bela noiva, Nina que fazia jus a compania. Conversamos rapido e mal sabiamos o encontros que nos aguardava pela noite. Praticamente dormir toda a noite, ja que durante o dia nossa avózinha estava bem desperta, e quando acordei fui diretamente ao vagao restaurante que naquele momento havia uma reuniao de todos os comissarios. Passei em meio a reuniao e entre todos escutava sussurros “Brazilianski”, se sentei em uma mesa onde ao lado estavam Alex e Nina jantando e levavam umas quantas vodkas para a cabeça. Pedi minha cervejinha, que por sinal e coincidencia me serviram uma Brahma, e eles me convidaram a sentar com na mesa deles. Daí em diante foram risadas e muita vodka. Realmente reafirmei  hipotese de que Alex era algum tipo de agente secreto….rs..rs Depois de muitas risadas e shots de vodka, nos fomos esperar a proxima estaçao que por sinal além deste casal, baixaria tambem Maria, a jovem e simpatica Russa que apesar de nao falar uma palavra de Ingles, coloriu a viagem. Este trem é assim mesmo, como dizia Elis Regina em encontros e desencontros.. ” Tem gente que vem para nunca mais………. e assim chegar e partir, sao dois lados da mesma viagem……. a hora do encontro é também da despedida..”… ou mais ou menos assim… A estas alturas posso dizer que Sergey, Alla e Eu ja estamos muito integrados….

26/12 4900 KM   79 Horas em Trem

Corredores vazios, reina o silencio que as vezes é quebrado pela amistosa conversa advindo da cabine 9. Hoje é domingo, e como este trem parece ter vida própria, o clima interior é tipico de uma casa qualquer as 10:00 da manha de um dia de Domingo.

Hoje fui acordado por Alla, que me cutucou cedo para dividir comigo a preciosa vista que ela estava admirando através da janela. Era um lindo bosque que coincidia com as grandes curvas da serra onde podiamos ver a cabeça do trem cortando a estrada de ferro com toda sua força.

O Sol que entra pela janela, faz o branco brilhar e refletir seus brilhos nestes montes fazendo da natureza sua imagem e semelhança. Dentro de pouco deixarei o historico vagao 9 do trem 44. Tenho já, um sentimento de saudade do trem e das pessoasque dele fazem um meio necessario de locomoçao, assim como EU que o estou utilizando como um meio de locomoçao rumo ao interior, onde igual que ao exterior possui muito gelo a ser rompido, possui um largo caminho a ser percorrido e é durante este caminho, é durante este processo, que EU me encontro e a partir daí começa a transformaçao, advindo da fusao com a vibraçao de uma pessoa de Chita por exemplo, ou advindo de outras pessoas que positivas ou negativas, também contribuem para este processo. Enfim, esta é a magia que esnvolve esta viagem… junçao, fusao… transformaçao!!!!!

Agora ja temos mais de 5.000 Km deixados para tras e um certo ar de despedida toma conta do vagao. Sao 13:30 MT, e o clima noturno ja toma conta da paisagem exterior. Como gesto de carinho entreguei uns pequenos souvenirs espanhois a Sergey e Alla, meus grandes companheiros de viagem, e Alla como uma cuidadosa mae me dave mil conselhos para ter cuidado em Irkutsk, Sei que a despedida vai ser rapida, mas para sempre vou guardar estes dois grandes personagens em meus diarios, arquivos ou recordaçoes…… Irkutsk se aproxima, é hora de descer. Como unico turista de todo o vagao, as pessoas me olham curiosas, uns arriscam um saludo discreto mas eu tomo minha reta, e sigo adiante, e esta foi minha incrivel viagem no trem 44 de Moscou Irkutsk, com 86 horas pontuais em Trem, e aprox 5.400 Km em trem…. Amanha o Lago Baikal, a pérola da Sibéria me espera, antes de eu empreender uma nova viagem rumo a Mongolia, onde me espera mais dois dias de trem, com novos companheiros, novas paisagem e claro, um novo capitulo desta historia…………….

22/12 – 23/12 – Moscou

Deja un comentario

KM 0 – Moscou

Depois de uma larga noite, aquí estou no hostal trip sleep. Depois de minha imersão na gastronomia moscovita, já tenho minha cabeça no trem de hoje a noite.

Ontem depois de passar minha primeira noite em um trem, me esperava em Moscou minha anja Aliona. Chegamos diretamente ao hostel depois de um saudoso reencontro, onde pude tomar um bom banho e deixar minhas malas. O valor do Hostel não é tão caro para Moscou, e o pessoal é muito atencioso e agradável. Mas ainda havia algo muito importante e fundamental para minha viagem, que era comparecer ao consulado da Mongolia, que ficava a poucas ruas do Hostel e deixar meu passaporte para emissão do visto. Chegando ao consulado, aquele ambiente não retratou a imagem que atualmente tenho daquele pais, móveis refinados, gente muito bem vestida com ternos luzidos, e aí estava Aliona para ajudarme como interprete, pois o pessoal sequer falavam Ingles. Foi algo muito engraçado, duas perguntas a Aliona, passaporte na Mao, o que eu ia fazer na Mongolia, e estávamos nos preparando para sair quando o atendente nos disse que o visto em geral sai em 1 dia, mas ele poderia fazer em 5 minutos , de verdade que me surpreendeu pois nunca tinha tirado um visto de maneira tão fácil, se fosse na Espanha seriam como mínimo 7 dias, envio por correio, seguro de viagem, passagens…etc – mas ao mesmo tempo agradeço pois vejo os caminhos abertos a minha frente. Mas surpreendente foi na hora de pagar, eles aceitavam somente em dólar e Aliona inconformada perguntava em Russo como que eles poderiam não aceitar Rublos na Russia, e a atendente se conformando nos pediu para que nós fizéssemos a conversão pelo valor que creiamos que estava no dia, e pagasse em Rublos – Surpreendente High Level Plus.!!!! 3.100Rublos e fotitas no consulado para guardar o registro…e let´s GO..!

Visto na Mao, tranquilidade geral …….então….. Moscou nos espera. Depois de contemplar a preciosidade que é o metro moscovita que mais parece um museu subterrâneo com obras das mais ricas jamais imagináveis em um lugar publico. O símbolo de Lenin muito marcante em todas os cantos, imagens de um passado recente que apesar da abertura capitalista e das fortes relações com Europa, ainda se vê sinal de muito orgulho por um passado de glorias e ideais. Comemos algo típico da Russia, saladas, carne, e nesta hora descobri que a Salada Russa não é russa, e foi inventado por um Frances, por isso os Russos a chamam de Olivie que é o nome do seu criador, nisto me veio uma pergunta que já havia feito para Aliona diversas vezes em tom de brincadeira.. E a montanha russa? – para eles é Montanha Americana… !!!. Nos dirigimos a uma pequena catedral ortodoxa, que era minha curiosidade, entramos em uma pequena porta, Aliona cobre sua cabeça por ser uma regra ortodoxa para as mulheres, e pude apreciar belas pinturas e muito capricho pelas paredes, realmente uma obra de arte! Conhecemos algo mais, e Aliona sempre me contando a Historia de Moscou, como esta hoje para os moscovitas conviver com uma recente “invasão” de imigrantes que vêem em Moscou sinal de riqueza e vão em busca do seu pão com manteiga de cada dia, na verdade isto incomoda os Moscovitas que se vem com menos vagas de emprego,  alugueis sobrevalorizados – um dos mais caros da Europa –  e ainda escutam reclamações de sua cidade.

Neste dia o monumento que mais me chamou a atenção foi o Parque da Vitoria que foi levantado em honor a grande vitoria na segunda guerra mundial. Com um monumento em espécie de torre com a deusa da vitoria no topo, e nos seus quase 40 metros, se vê gravados soldados e nome de cidades heróicas, tudo isso cercado de um imenso jardim que estava tomado pela neve e um museu de armas e diversos tanques de guerra estacionados ao publico. Um verdadeiro desfile de La imponência e uma bela homenagem a esta grande e importante vitoria que é o Maximo sinal de orgulho para os Russos. Aliona me comentava que não existe uma família da Russia que não tenha sofrido com a guerra, seja com perdas de familiares ou os efeitos colaterais advindos de uma guerra. Mas abaixo do parque da vitoria, existe uma espécie de Arco do Triunfo, que é um belo portal onde por detrás esta o centro de Moscou, dividindo uma grande avenida, até ali Napoleao chegou com suas tropas, mas daquele ponto não passou – o frio e as forças das tropas locais aniquilaram e afugentaram os invasores. Historias que mechem com a cabeça, lendas de uma guerra que atingiu nossas passadas gerações e agora atinge nossa imaginação, sentindo um pouco de orgulho e admiração ainda maior por este país que esta tão longe de nossa realidade.

Pela noite se incorporou a nossa trip Katia, amiga de Aliona que também nos conhecemos em nossas épocas de estudo universitário pela Espanha. Estavamos perto do Kremlim e da praça vermelha, e claro, estava muito ansioso para chegar e conhecer todas estas maravilhas, que para mim poderiam ser as maravilhas do mundo vitalícia. De caminho a praça vermelha, parei para render uma Homenagem a tumba do soldado desconhecido, uma digna homenagem a todos aqueles que de 1941 a 1945 lutaram por sua pátria entregando suas vidas em uma batalha do qual tinham um ideal mais forte que o dos seus inimigos. Na frente da tumba que esculpe um traje militar ao chão em bronze, possui um fogo que luce sobre a noite de forma imponente e eterna, daí se da o nome de “fogo eterno” vigiado por três soldados 24 horas, em postura imóvel. Este fogo desde que aceso nunca foi apagado e em sua ultima reforma o transportaram ao parque da vitoria sem apagarlo, e hoje esta de volta ao seu lugar. Entrei na famosa praça vermelha, mas claro antes, parei no circulo dourado que esta a poucos metros da entrada principal da praça, e como diz a tradição, tirei uma moeda para trás por cima do meu ombro direito para selar o meu pedido que rondava minha imaginação alguns segundos antes. A praça abriga o mausoléu de Lenin, que até hoje se encontra mumificado na parte interior deste monumento, a tumba é aberta a visitantes por 3 horas ao dia para que os turistas e admiradores matem a curiosidade deste grande idealista. Depois deste turismo fui conhecer a gloriosa e luxuosa noite moscovita que realmente faz jus a seu lema: Moscow Never Sleep”….

Moscou me deixou vislumbrando tamanha beleza, imponência, historia, marcas de heroísmo e seu desfile de poder. Carros que dificilmente se vê habitualmente em grandes capitais européias aqui se vê em abundancia, lojas com as marcas mais caras, carros de luxo com choferes, enfim, tudo que seja sinal de glamour se vê em Moscow.

Aliona e Kate me fizeram uma surpresa que ficara gravado para sempre em minhas recordações. Um par de luvas e meias de pelo de ovelha, bordado por elas mesmas “ Moscow Love Armando!! Sem duvida a melhor prenda que terei guardado, pois algo que veio de coração e simboliza a humildade que encontramos nas grandes amizades.

ARE YOU CRAZY MAN???

No momento em que acordei no Hostal, havia no quarto um casal de Hungaros dividindo outras duas das 4 camas que haviam no quarto. Puxamos uma conversa de onde era, o que estava fazendo, e ele me explicou que estava de férias conhecendo moscow de passagem, e na hora que se deu conta que eu ia fazer a transiberiana, escutei a frase não pela primeira e claro nem pela ultima perguntando: Brazilian Guy, are you crazy? Todos se espantam em saber que farei a rota no inverno que é a época mais critica do ano por estas regiões.  Esperando o banheiro livrar para poder tomar um banho, conheci a bela Svetalana, simpática recepcionista, que por casualidade leva o mesmo nome da primeira recepcionista de SP, mas com uma diferença… esta fala até pelos cotovelos, uma bela forma de acordar, tentando assimilar tudo que ela queria dizer, e creiam que em 5 minutos contou quase toda sua vida e seus sonhos para os próximos 30 anos…rs..rs..rs. brincadeiras a parte, a energia dela me contagiou e me ajudou a despertar pois meu corpo seguia pedindo descanso.

Depois de repassar novamente os pontos que havíamos visitado pela noite, fomos comer em um restaurante japonês, que é moda em abundancia em Moscou. Na Rússia o caviar é artigo de prateleira e pude saborear pela primeira vez deste artigo de luxo no Brasil. Na verdade não vi nada de especial!!!!

A viagem já se acercava e minha cabeça já estava nos preparativos prévios, e já estava um pouco preocupado com horários e últimos acertos que tinha que fazer, e por outro lado não podia esquecer da atenção merecida que tinha que dar as minhas anjinhas, pois elas foram fundamentais na organização e me fizeram uma recepção que jamais irei esquecer. Passamos no mercado para comprar os equivalente ao miojo, alguns embutidos, pão e água e GO ahead para o Hostel preparar a mochila e tomar o ultimo bom banho dos próximos 4 dias.

Ainda havia mais uma surpresa, fomos jantar em um típico restaurante ukraniano perto do Hostel, onde pude saborear de sua tradicional cozinha e claro, como não se pode dispensar, um shot de vodka como diz a tradição.

Do caminho a estação de trem, fui contemplando, admirando, AGRADECENDO e me despedindo da bela moscou, viajando pelas obras de seu imponente metro, e desfrutando do estado de PLENITUDE de mais um objetivo realizado.

Na estação já me espera o trem numero 44…….

Older Entries Newer Entries